Crítica | Boneco de Neve – Suspense baseado em best seller é uma grande bagunça

Crítica | Boneco de Neve – Suspense baseado em best seller é uma grande bagunça

COMPARTILHE!

Jack Frost

Não, Boneco de Neve não é a continuação de Uma Noite Mágica (1998), comédia natalina com Michael Keaton. Tampouco mais uma sequência do terror tosco, de baixíssimo orçamento, Jack Frost (1997). Trata-se de um suspense baseado no livro homônimo, parte de uma série policial protagonizada pelo detetive Harry Hole, do autor norueguês Jo Nesbo . Mas não apenas isso, olhe o pedigree do longa: produção de Martin Scorsese, edição de sua fiel escudeira Thelma Schoonmaker, distribuição da Universal , direção de Tomas Alfredson , e estrelado por Michael Fasssbendere Rebecca Ferguson . Ou seja, o sonho de qualquer cinéfilo.

Tenho uma particularidade que irei confessar agora neste texto. Quando sei que determinado livro está sendo adaptado para o cinema, corro para comprar e ler, a fim de usar como base comparativa e prestar atenção na forma que seu texto foi preparado para as telas. Obviamente é impossível fazer com todos, já que por ano dezenas de livros chegam aos cinemas. Decido me concentrar então em meu gênero preferido, o suspense. Em anos recentes, Paciente 67 (que virou Ilha do Medo , do citado  Scorsese) e Garota Exemplar (que deu origem ao filme de David Fincher, uma das melhores transições já confeccionadas– justamente por ter sido feita pela própria autora Gillian Flynn), foram alguns dos alvos. E agora volto ao esporte com Boneco de Neve .

Na trama, o alcoólatra em recuperação Harry Hole é um detetive estrela da cidade de Oslo, na Noruega. Isso se deve pelo fato de que treinou com o FBI e estudou psicopatas, sendo o único policial da cidade a ter conseguido prender um – detalhe omitido do longa. Devido a isso, quando mulheres começam a desaparecer misteriosamente, algumas aparecendo mortas das formas mais cruéis, e bonecos de neve surgem nos locais, o errático homem da lei se mostra a escolha mais óbvia para tentar solucionar o caso. Na delegacia aparece Katrine Bratt, empenhada jovem agente, transferida da divisão de crimes sexuais, que desenvolve com Harry uma relação de pupilo e mentor.

Participe do nosso GRUPO ESPECIAL do Facebook» https://goo.gl/kg8NYU


Boneco de Neve é um whodunit (who done it?), termo usado para aquele tipo de suspense, sejam livros ou filmes, no qual precisamos descobrir o assassino perante um leque de possibilidades de personagens. Esta estrutura remete aos clássicos da literatura e do cinema, aos livros de Agatha Christie, por exemplo, e à velha máxima “o mordomo é o culpado” – quem nunca ouviu? De fato, o livro de Nesboé um suspense básico, de caça ao serial killer, cuja particularidade do criminoso é espalhar bonecos de neve perto de seus ataques às vítimas, todas mulheres. Afinal, todo serial killer precisa de sua marca registrada.

O que conta, e muito, no livro são justamente as entrelinhas, os detalhes. A forma como o autor trabalha minuciosamente cada personagem, esmiuçando suas personalidades, criando para cada um deles um passado e uma história própria, entrelaçada igualmente em mistério e se misturando no todo, ao ponto de dificultar bastante uma adaptação, já que seria praticamente impossível retirar uma subtrama e os personagens nela envolvidos sem afetar o resultado final. Cada detalhe está interligado, como uma peça do grande quebra cabeça, capaz de ruir se um bloco for retirado.

Bem, até agora só falei do livro, que é sim um bom suspense e tem a capacidade de nos prender até o seu desfecho. Já o filme, escolhe um caminho bem mais tortuoso na hora de levar às telas o romance de Nesbo. Lembra o que eu disse das peças? Pois aqui no longa de Alfredsonfaltam tantas peças, que o quebra cabeças sequer consegue se erguer. Ele treme tanto que constantemente desaba. Tudo é tão despido e desmontado do livro, que, sem exageros, parece irreconhecível. É como se tivessem usado apenas os nomes dos personagens, mas retirado toda a sua personalidade, sua essência, seus relacionamentos uns com os outros, e as situações. Tudo é tão apressado, narrativa atropelada, grandes trechos esquecidos. Se o livro fosse um carro novo, o filme seria apenas sua carroceria, sem qualquer outra parte que o compõe, incluindo os pneus. E o que sabemos de carros sem pneus? Isso mesmo, ele não anda.

É realmente incrível, mas não dá para reconhecer nada do livro neste filme. Arcos dramáticos importantíssimos, como as constantes recaídas de Harry ( Michael Fassbender), seja no álcool, ou com a ex-mulher Rakel ( Charlotte Gainsbourg ), e tudo que envolve Katrine ( Rebecca Ferguson ) e suas motivações, são jogados para escanteio sem a menor cerimônia. Mas aí você pergunta, e quem não leu livro. Receio que seja uma situação ainda pior, pois quem leu tem em mente o que poderia ter sido e a lembrança de algo melhor. Quem não leu ganhará apenas o mais genérico dos filmes de suspense, sem qualquer personalidade, sem alma, personagens apenas rascunhados e bons atores perdidos, lutando para não se afogar.

Até mesmo o motivo do assassino é alterado, criando uma revelação enfadonha, servido por um desfecho tão ridículo que beira risadas. De fato, os envolvidos precisaram se esforçar muito para tentar dar algum sentido a tudo, fazer as cenas terem alguma conexão. Em variados momentos me peguei boquiaberto, sem acreditar que tal cena tenha sido filmada, e pior, entrado no corte final do longa. São momentos pra lá de bizarros nos quais me perguntava se não teria outra forma de transmitir o almejado. Na apresentação de Harry e Rakel, por exemplo, o detetive ao acordar num banco de praça anda até a galeria onde a mulher trabalha e simplesmente para do lado de fora, olhando pela vidraça a ex-companheira falar. Já em outra cena, uma criança encapetada, faz caras e bocas demoníacas na janela do carro onde o detetive conversa com um suspeito. Acho que era a tentativa de um susto, mas não vingou.

Esta é outra deficiência de Boneco de Neve . É um suspense gelado, sem medo ou sustos. Não ficamos tensos ou tememos por qualquer dos personagens, pois não tivemos tempo suficiente para conhecê-los. O filme nos joga diretamente na ação e a sensação que fica é a de que começamos a ler um livro pela metade.

No lado positivo, Schoonmakerse vira como pode na montagem, e a fotografia de Dion Beebeé o chamariz. De resto, sabemos quando os envolvidos começam a se pronunciar contra o filme, como o diretor Alfredson(que afirmou ter deixado de filmar 15% do roteiro) e Fassbender(declarando sua falta de gosto pelo filme e seu desfecho), é que algo está realmente errado. Uma pena. Um baita desperdício de material, que poderia ter rendido uma interessante série policial no cinema; já que elogios como “ macabro e perturbador, o livro mais ambicioso de Nesbo ”, “ diabolicamente complexo e terrivelmente prazeroso ” e “ tão arrepiante quanto O Silêncio dos Inocentes ” foram tecidos respectivamente por importantes veículos como o The Guardian, New York Times e Sunday Times ao livro de Nesbo. Já ao filme de Alfredson, encontraremos poucos elogios.


Renato Marafon faz tatuagem de Deadpool na CCXP


» Siga o CinePOPno Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO]Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.

Mobilize your Website
View Site in Mobile | Classic
Share by: