Crítica | Dark – Nova série de Suspense da Netflix

Crítica | Dark – Nova série de Suspense da Netflix

COMPARTILHE!

Quem somos? Para onde vamos? É possível viajar no tempo? Os seres humanos estão sempre à procura de respostas para perguntas tão velhas quanto o universo, tentando entender qual é o nosso papel aqui e como fomos criados…

Usando essa eterna busca por respostas como tema, a Netflix vem se especializando em realizar séries de ficção científica que tentam dar novas visões à essas perguntas. Com o sucesso fenomenal de ‘ Stranger Things ’, o serviço de streaming apostou na sensacional ‘ The OA ’ e agora lança a maravilhosa série alemã ‘ Dark ’.

Sem dar SPOILERS, explicaremos por cima – bem superficialmente – a trama. Ao mesmo tempo que o jovem Erik ( Paul Radom) desaparece em uma cidade cheia de segredos, um pai de família se suicida. Ele deixa uma carta para sua mãe e seu filho, que só pode ser aberta no dia 4 de Novembro de 2019. Nenhum minuto antes disso.

Participe do nosso GRUPO ESPECIAL do Facebook» https://goo.gl/kg8NYU


Com um primeiro episódio tenso e intenso, a série já conquista o expectador ao apresentar algumas perguntas insanas sem respostas. Ela logo nos desperta o interesse em saber o que existe por trás do mistério da cidade de Winden, que tem uma usina de energia elétrica como seu maior ponto turístico.

À partir daí, a série traz um ritmo lento e sufocante com mais perguntas do que respostas. Conhecemos os vários personagens que iremos acompanhar, como Katharina ( Jördis Triebel) – cujo filho desapareceu, Hannah ( Maja Schöne) – que alimenta uma paixão proibida, e Ulrich Nielsen ( Oliver Masucci) – um homem que embarca numa jornada para encontrar seu filho desaparecido mas acaba encontrando muito mais.

A pergunta não é quem sequestrou a criança… mas quando.

Quando a série começa a responder algumas de suas loucas perguntas, é viciante continuar assistindo aos episódios. É daquelas séries feitas para maratonar em um dia, que não te deixa sair nem para ir até a cozinha tamanho o suspense criado entre um episódio e outro.

Apesar do começo lento, a série engata no meio de sua temporada e se torna um vício desenfreado, quando as cartas começam a ser reveladas e você descobre sobre o que a série está abordando. São 10 episódios de 50 minutos que te prendem do começo ao fim.

O criador Baran bo Odar(diretor do inédito  Sleepless, com James Foxx) consegue criar uma trama redonda, apesar de trazer uma história cíclica, que se encerra satisfatoriamente. Outro ponto positivo é a fotografia belíssima, que abusa do ar misterioso da cidade Winden e a assustadora floresta que a cerca, sem esquecer da usina elétrica, imponente na vista aérea da cidade. A trilha sonora, repleta de hits dos anos 80, é a cereja do bolo.

O desfecho é genial, abordando um assunto que vem sendo tratado mais frequentemente nos cinemas em em obras de ficção científica, vide os geniais ‘ Interestelar ’, de Chris Nolan , e ‘ O Predestinado ’, de Peter e Michael Spierig.

Dark ’ é, literalmente, uma viagem pelo tempo e espaço que pode explodir sua mente enquanto você tenta descobrir a grande resposta, aquela que estava ali o tempo todo e você não conseguia enxergar. É recheada com suspenses, mistérios e coisas estranhas.

Produzida pela Alemanha, a série sela o acordo de US$ 1,5 bilhãoque a Netflix fez com diversos países europeus para a produção de séries, filmes e programas de TVs. Se a intenção era reproduzir o sucesso de ‘ Stranger Things ’, ‘ Dark ’ provavelmente será muito bem sucedida.

Dark ’ estreia na Netflix do Brasil dia 1º de Dezembro.


Renato Marafon faz tatuagem de Deadpool na CCXP


» Siga o CinePOPno Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO]Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.

Mobilize your Website
View Site in Mobile | Classic
Share by: