Crítica | O Espaço Entre Nós – romance interplanetário meio sem jeito

Crítica | O Espaço Entre Nós – romance interplanetário meio sem jeito

COMPARTILHE!

O Marciano

Enquanto muitas produções do gênero ficção científica se propõem a mostrar o homem desbravando o planeta vermelho Marte, O Espaço Entre Nós opta pelo caminho inverso e apresenta o primeiro humano nascido no planeta. O que não deixa de ser criativo. À primeira vista soando como uma dessas adaptações de livros infanto-juvenis de ficção, muito em voga atualmente, o novo longa protagonizado pelo jovem ator Asa Butterfield é na realidade um roteiro original, saído da mente do Allan Loeb ( Quebrando a Banca ).

Na trama, passada no futuro, uma expedição sai da Terra para viver em uma colônia em Marte. Uma das astronautas estava secretamente grávida e acaba parindo no planeta inóspito, no processo falecendo. Assim, Gardner Elliot ( Asa Butterfield ) é criado por cientistas, como o primeiro humano que nunca pisou na Terra. Obviamente, com o passar dos anos, o menino, agora um adolescente, deseja conhecer de onde veio, em especial porque vem se comunicando com uma jovem na Terra, Tulsa (personagem de Britt Robertson ).

E assim, de uma forma relativamente capenga, se desenvolve uma história de romance interplanetária, que pega emprestado de diversos gêneros e variados filmes. Temos, por exemplo, o romance entre jovens no qual uma das partes não sabe ou não compreende exatamente o que seu parceiro é – neste caso, um visitante que nunca esteve na Terra. Temos, o cientista preocupado com o bem estar e como tal situação irá ressoar entre acadêmicos e as massas, papel do veterano Gary Oldman – apenas coletando seu contracheque numa atuação totalmente genérica.

Participe do nosso GRUPO ESPECIAL do Facebook» https://goo.gl/kg8NYU


Assista a nossa entrevista com o ator Asa Butterfield

A química entre o casal interpretado por Buttefield (que acaba de completar 20 anos no dia da mentira, 1º de abril) e Robertson (prestes a fazer 28 anos) é quase nula e soa estranha, já que a diferença de idade não é adereçada, e pelo fato da atriz interpretar uma personagem muito mais nova no filme, ainda colegial. Mesmo ainda muito jovem, Butterfield rende um eficiente protagonista, já que teve a oportunidade de trabalhar com diretores do cacife de Martin Scorsese( A Invenção de Hugo Cabret ) e Tim Burton( O Lar das Crianças Peculiares ) ao longo de sua curta, mais expressiva, carreira.

Fora isso, os atores estão todos bem, fazendo o que podem com o material que lhes é dado. Completando o elenco principal, a subestimada Carla Gugino interpreta a figura materna de Gardner, que estará em seu encalço, enquanto este foge para encontrar sua paixão virtual. O Espaço Entre Nós , como disse o próprio Butterfield, em entrevista a este que vos fala, é um filme leve e inocente, distante de qualquer peso dramático ou questões que deveriam ser adereçadas com um tema desta magnitude. A proposta é realmente pela fantasia, pelo conto lúdico de um romance jovial.

A direção do também ator Peter Chelsom ( Escrito nas Estrelas ) cria bons momentos, porém, nunca conseguindo se distanciar de adjetivos como piegas, mundano e clichê, o que não é exatamente o que desejamos de uma produção com aspirações desta proporção. O Espaço Entre Nós é o que alguns chamarão de um filme bonitinho na melhor das hipóteses, mas que infelizmente não consegue provar que existe vida inteligente fora da Terra.


Renato Marafon faz tatuagem de Deadpool na CCXP


» Siga o CinePOPno Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO]Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.

Mobilize your Website
View Site in Mobile | Classic
Share by: