Crítica | Os Smurfs e a Vila Perdida – 3º longa das criaturas azuis enfim acerta!

Crítica | Os Smurfs e a Vila Perdida – 3º longa das criaturas azuis enfim acerta!

COMPARTILHE!

Quem é Smurfette?

Criados originalmente pelo belga Peyo, pseudônimo de Pierre Culliford, em 1945, Les Schtroumpfs ou Os Smurfs , fizeram seu debute em 1958 como coadjuvantes em histórias em quadrinhos. O sucesso foi tanto, que em pouco tempo ganharam uma publicação só sua. Em 1981 foi a vez das criaturinhas azuis ganharem o mundo através de uma animação norte-americana, produzida pelos estúdios Hanna-Barbera, que durou oito anos de material inédito. Em tal forma é como a maioria, em especial pessoas da minha geração que cresceram nos anos 1980, conhecem os adoráveis personagens.

Todo tipo de merchandising foi criado após o sucesso do cartoon, de roupas, brinquedos e lancheiras até jogos de vídeo game, como o do extinto Atari, console de 8 bits que fez a alegria nas tardes de muitas crianças. No cinema, os personagens demoraram a chegar, só realizando a transição em 2011, com o filme homônimo em live action (misturando as criaturas azuis animadas, criadas através de efeitos de computador, com atores reais). Apesar do tom essencialmente infantil e das críticas em sua maioria negativas, Os Smurfs mostrou grande apelo junto ao público arrecadando uma gorda bilheteria e figurando entre os dez filmes mais assistidos de seu respectivo ano.

Dois anos depois e a mesma Sony encaixava nos cinemas do mundo a continuação Os Smurfs 2 (2013), que obteve o mesmo destrato dos críticos, sem o sucesso financeiro do original. Assim, a franquia ficaria estacionada por quatro anos, até o lançamento deste Os Smurfs e a Vila Perdida , que chega aos cinemas do Brasil nesta quinta-feira, dia 6 de abril. Novamente distribuído pela Sony Pictures, e produzido pela Sony Animation, departamento de animação do estúdio, o terceiro longa-metragem protagonizado pelos famosos duendes azuis, apesar de fazer parte da franquia, se comporta mais como um reboot do que como uma continuação.

Participe do nosso GRUPO ESPECIAL do Facebook» https://goo.gl/kg8NYU


Alguns fatores atestam a afirmação acima. O primeiro e mais óbvio é a opção por eliminar os elementos humanos, fazendo de A Vila Perdida o primeiro longa 100% confeccionado na forma de uma animação da franquia. Assim, nos despedidos do protagonista Neil Patrick Harris, como também do rouba cenas Hank Azariana pele do bruxo maligno Gargamel – um dos chamarizes da versão “carne e osso”.

Além disso, até mesmo os dubladores originais saem de cena, como Jonathan Winters(Papai Smurf), a cantora Katy Perry(Smurfette) e o saudoso Anton Yelchin(Desastrado), para a entrada de um novo elenco cedendo suas vozes: Mandy Patinkin (Papai Smurf), a também cantora Demi Lovato (Smurfette), Jack McBrayer (Desastrado) e Rainn Wilson como Gargamel. As atrizes mais renomadas do elenco, no entanto, participam como as vozes das Smurfs fêmeas, habitantes da tal Vila Perdida do título, entre elas Julia Roberts e Michelle Rodriguez . Na versão em português, temos a cantora sensação Ivete Sangaloimpulsionando o filme na pele (ou timbre) de SmurfWillow, a matriarca da outra vila de Smurfs – papel defendido por Roberts na versão original. Sangalo até aceita a brincadeira adaptada para o português de uma famosa frase sua, que se tornou icônica e polêmica, ao chamar atenção do marido durante um show – reparem.

Dessa vez dirigido por Kelly Asbury (mas não, não se trata de uma mulher), codiretor de Shrek 2 (2004), ao invés de Raja Gosnell, dos primeiros longas da franquia,  e com o roteiro escrito por duas mulheres (agora sim) – Pamela Ribone Stacey Harman Os Smurfs e a Vila Perdida é exatamente o que um filme dos personagens deveria ser desde o começo: uma aventura passada em seu próprio universo. Outro grande acerto do texto é jogar os holofotes na personagem Smurfette, a única presença feminina na vila das criaturas, e com isso dar um enfoque no empoderamento da mulher, deixando uma mensagem muito válida e atual para os pequenos, mesmo que só a captem de forma subconsciente.

É sempre mais interessante para qualquer argumento, mesmo num filme inocente, ingênuo e infantil, que este faça uso de algum conteúdo, mesmo na forma de mensagem subliminar. E aqui temos exatamente isso em A Vila Perdida , acredite. Ao invés de se preocupar apenas com os gráficos e a beleza de sua animação, ou fabricar gags e tiradas, os realizadores se esforçam em, ao seu modo, levantar questões como “qual o lugar da única mulher em sua sociedade”, ou de minorias em geral. Mesmo que não possua a sagacidade e a verve de um roteiro inteligente e aplicável aos adultos também, como Uma Aventura LEGO (2014) e seu derivado LEGO Batman (2017) – a melhor animação deste ano (por enquanto), Os Smurfs e a Vila Perdida é uma experiência digna para a criançada e o melhor filme levando o nome das criaturinhas.


Renato Marafon faz tatuagem de Deadpool na CCXP


» Siga o CinePOPno Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO]Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.

Mobilize your Website
View Site in Mobile | Classic
Share by: