Crítica | Pai em Dose Dupla

Crítica | Pai em Dose Dupla

COMPARTILHE!

As décadas de 80 e 90 foram marcadas pelos filmes de família que se tornaram clássicos de nossa infância, protagonizados pelos fantásticos  Chevy Chase e Steve Martin . Com uma fórmula simples, porém eficiente, essas comédias mostravam o valor da família através das adversidades da vida – vide ‘ O Pai da Noiva ‘ e ‘ Férias Frustradas ‘.

Com a mudança na chamada família tradicional, o cinema agora se adapta para realizar novas comédias mostrando as “famílias disfuncionais”, e ‘ Pai em Dose Dupla ‘ acerta cheio em atualizar esse conceito.

A história acompanha Brad ( Will Ferrell ), um pacífico executivo de rádio que não pode ter filhos, mas tem como maior sonho ser pai. Ele se esforça para se tornar o melhor padrasto para os dois filhos de sua esposa. As complicações começam quando Dusty ( Mark Wahlberg ), o descontraído e aproveitador pai verdadeiro, aparece, forçando-o a competir pela afeição das crianças. 

paiemdosedupla_4

Participe do nosso GRUPO ESPECIAL do Facebook» https://goo.gl/kg8NYU


O maior acerto da produção está na escolha de seu elenco: a química entre  Will Ferrell  e  Mark Wahlberg , que já haviam trabalhado juntos em ‘ Os Outros Caras‘, rendem momentos hilários.

Apesar do esforço de Wahlberg, quem rouba todas as cenas é Ferrell, com uma atuação menos caricata que ele está acostumado a entregar. As cenas em que os dois astros disputam o amor das crianças rendem ótimas risadas, além de momentos extremamente embaraçosos que também ganham risos involuntários da plateia.

O elenco de apoio tem grandes nomes e uma surpresa: além dos ótimos Linda Cardellini  (‘ Scooby-Doo ’) e Thomas Haden Church (‘Homem-Aranha 3’), temos uma divertida participação especial da modelo brasileira  Alessandra Ambrósio .

paiemdosedupla_2

Após entregar os fracos ‘ Quero Matar Meu Chefe 2’ e ‘ Este é o Meu Garoto’, o diretor Sean Anders finalmente acerta a mão em uma direção competente, que aproveita o carisma dos protagonistas.

Pai em Dose Dupla ‘ é uma grande homenagem aos clássicos filmes da Sessão da Tarde, que marcaram a infância de quem está na casa dos 30 anos. Com um roteiro redondo e uma bela mensagem no final da produção, a comédia  promete agradar em cheio a família inteira – seja ela tradicional ou disfuncional.


Netflix na CCXP: Renato canta Lua de Cristal e leva torta na cara


» Siga o CinePOPno Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO]Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.

Mobilize your Website
View Site in Mobile | Classic
Share by: