Crítica | Valerian e a Cidade Dos Mil Planetas é uma experiência sensorial confusa “pra chuchu”

Crítica | Valerian e a Cidade Dos Mil Planetas é uma experiência sensorial confusa “pra chuchu”

COMPARTILHE!

Que Luc Bessoné um gênio, não há dúvidas. Mas como todos os gênios, às vezes ele tem uma dificuldade muito grande em se expressar. E como é ele quem escreve a maioria dos roteiros das produções que dirige, isso pode se tornar um programa.

Seu currículo é feito de altos e baixos, de produções visionárias a filmes medianos. Foi ele quem fez as obra-primas ‘ O Quinto Elemento‘ e ‘ O Profissional‘, e o ótimo ‘ Lucy’ – e acredite: se você acha que a Scarlett Johanssonvira um “pen drive”, você não entendeu o filme.

Seus filmes sempre partem de uma ideia genial, mas nem sempre ele consegue se expressar de maneira clara. E é aí que reside o grande problema de sua nova produção, o inovador ‘ Valerian e a Cidade dos Mil Planetas’.

Participe do nosso grupo ESPECIAL no Facebook» https://goo.gl/BBFEmQ


A ficção científica baseada nas histórias em quadrinhos francesas “ Valerian et Laureline” é um espetáculo visual que consegue superar ‘ Avatar ’, mas tem uma trama longa e cansativa que cansa o espectador.

Quando um roteirista precisa estacionar a história para recapitular e explicar tudo o que está acontecendo, significa que ele não fez um bom trabalho. Aqui, Bessonprecisa usar esse recurso DUAS vezes. Desnecessário e cansativo, o filme seria muito melhor sem essas pausas explicativas.

Outro problema da produção está no seu casting . Apesar de ter descoberto as talentosas Natalie Portman (‘O Professional’) e Milla Jovovich (‘O Quinto Elemento’), ele erra feio ao tentar catapultar a carreira da sofrível Cara Delevingne – que como atriz é uma ótima modelo.

Delevingnetraz todos os seus trejeitos para a personagem – como seu famoso sorriso de um lado só – e não tem química nenhuma com seu co-protagonista, Dane DeHaan .

DeHaandá o seu melhor, mas também não tem cacife para levar um filme nas costas – alguém se lembra de ‘ A Cura ’? Ele entrega um bom protagonista, mas a história é focada no romance – e ninguém consegue criar empatia pelo casal.

O destaque fica pelas criaturas digitais e pela cantora Rihanna – que literalmente dá um show em cena. Sua participação é muito maior do que eu imaginava, e sua personagem – a fofa Bubble – tem o arco dramático mais aprofundado do filme. Apesar de ficar em cena por apenas 10 minutos, Rihanna consegue roubar os holofotes para ela.

Por fim, ‘ Valerian e a Cidade dos Mil Planetas’ é uma experiência sensorial. Os efeitos visuais de ponta nos levam para uma viagem pelas galáxias que nos permitem fantasiar, e aqueles seres e planetas chegam a ser palpáveis tamanha a perfeição do CGI usado por Besson. Ele consegue criar texturas que transformam o filme em uma das melhores produções visuais dos últimos anos. As cores e os detalhes dos visuais criados são belíssimas como pinturas renascentistas, e fazem valer o ingresso. Em 3D e IMAX a experiência é ainda mais encantadora.

Assista a crítica:


Crítica | Thor Ragnarok [COM SPOILERS!!!!]


» Siga o CinePOPno Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO]Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.

Mobilize your Website
View Site in Mobile | Classic
Share by: