Crítica | A Guerra dos Sexos – Emma Stone vs Steve Carell no filme feminista de 2017

Crítica | A Guerra dos Sexos – Emma Stone vs Steve Carell no filme feminista de 2017

COMPARTILHE!

Alicerce Feminista

Emma Stone quase foi uma das Caça-Fantasmas na reimaginação do clássico dos anos 1980, lançado ano passado. Coincidentemente ou não, Caça-Fantasmas se tornou, mesmo que brevemente, um símbolo para feministas. O resultado do filme não agradou a maioria, infelizmente, e a franquia voltou ao estacionamento. Stone, por outro lado, seguiu para vencer o Oscar de melhor atriz, e agora, finalmente, pode hastear sua bandeira, com bem mais propriedade, diga-se.

A Guerra dos Sexos é baseado no famoso episódio da história recente norte-americana, que recebeu justamente o título do longa, no qual o tenista aposentado Bobby Riggs, de 55 anos, como forma de pegar nova carona na fama, decide desafiar jogadoras mulheres do mesmo esporte, se vendendo com a imagem de porco chauvinista para provar que os homens são melhores e que o lugar de mulheres era na cozinha. É o caso de “falem mal, mas falem de mim”.

Participe do nosso grupo ESPECIAL no Facebook» https://goo.gl/BBFEmQ


Riggsconseguiu sua atenção e sua fama, durante a década de 1970 parando o país e o mundo no embate decisivo dos gêneros. Muitos acreditam inclusive que tal evento desencadeou não apenas o aumento do sexo feminino em todos os esportes, como também no serviço militar, e em qualquer outro âmbito antes visto e dominado apenas por homens – como filmes de ação, profissões perigosas, etc. .

Dirigido pelo casal Jonathan Dayton e Valerie Faris , dupla saída dos videoclipes do Smashing Pumpkins, Oasise R.E.M., até o sucesso de Pequena Miss Sunshine (2006), indicado ao Oscar de melhor filme, e com roteiro de Simon Beaufoy ( Quem Quer Ser um Milionário? e 127 Horas ), A Guerra dos Sexos pode ser considerado um Oscar Bait , um filme mirado para época de prêmios, daqueles que contam histórias edificantes e muito necessárias, de uma forma abrangente e relativamente leve, com o propósito de atingir todo tipo de público. Vale levar em conta que esta é uma comédia, mas uma que não deixa de abordar questões polêmicas, como o relacionamento homossexual de Billie Jean King, a protagonista, uma mulher casada.

Emma Stone vive a protagonista Kingcom uma graciosidade ímpar. A versatilidade da atriz impressiona, fato que se comprova ao olharmos alguns de seus últimos trabalhos, em filmes como Birdman (2014) e La La Land (2016), nos quais a abordagem é totalmente distinta. Aqui ocorre o mesmo, embora Stonesiga exalando carisma. Sua composição para Kingé delicada e frágil. A ativista pelos direitos das mulheres, de igualdade de salário e oportunidade, é uma mulher serena, cuja ausência de exaltação torna ainda mais incisiva sua busca e luta. E Stoneestá simplesmente apaixonante no papel, da jovem perdida que sabe muito bem o que quer.

Steve Carell faz o que sabe de melhor, revivendo o falastrão oportunista e bufão. Alguns trechos das trocas entre o machista e a feminista são impagáveis e prometem despertar todo tipo de reação. Mas o outro destaque no elenco fica por conta de Sarah Silverman , humorista judia desbocada, que entrega uma performance diferente de todas em sua carreira, bem mais contida, mas não menos cômica.

A Guerra dos Sexos corre o “perigo” de toda comédia politicamente correta, afinal pensamos sempre que o gênero que merece prêmios é o drama. Daytone Farisentregam uma obra divertida e atualíssima, dona de um forte subtexto e alguns momentos bem especiais – destaque para os diálogos entre Stonee Bill Pullman . Este é também o filme mais ambicioso da dupla de diretores, que domina com dinamismo a narração, estabelecendo bem seus oponentes, separados durante toda a projeção, ao apresentar suas forças e deficiências no dia a dia, para depois os colocar em colisão no desfecho.

Esta é a estrutura de todo bom filme de duelo ou desafio, no qual se constrói a ameaça a ser enfrentada e seus heróis, para no final sentirmos o peso emocional do que pode vir a ser a perda para eles. É impossível não escolher um lado e torcer (espera-se que todos saibam qual lado), mesmo que saibamos de antemão o resultado desta partida.


Crítica | Thor Ragnarok [COM SPOILERS!!!!]


» Siga o CinePOPno Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO]Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.

Mobilize your Website
View Site in Mobile | Classic
Share by: